Facebook busca diversificar à medida que o crescimento do anúncio social diminui

05 de Julho de 2019

Conheça os mais recentes dados da Global Advertising Trends da WARC

Sede do Facebook em Menlo Park, Califórnia.

 

Os investimentos com propaganda em mídias sociais cresceram 26,2% no 1o trimestre de 2019, alcançando o montante de US$ 17,9 bilhões em todo o mundo. Embora este seja o segundo maior recorde na história deste novo formato de mídia, representa um valor equivalente à metade do crescimento visto no ano passado e, por isso, os principais intervenientes estão agora procurando diversificar seus fluxos de receita.

Isso está de acordo com o mais recente Global Advertising Trends da WARC, que dá um mergulho profundo nos números das seis empresas de mídia social mais visíveis em todo o mundo:
- Facebook
- Pinterest
- Snap
- Twitter
- Tencent (WeChat / QQ)
- Weibo.

 

Todos eles relataram um abrandamento no crescimento da receita publicitária no primeiro trimestre de 2019.
"O setor social ainda está se expandindo em ritmo acelerado - acumulando US$ 17,9 bilhões em publicidade nos primeiros três meses deste ano -, mas o crescimento diminuiu nos últimos trimestres e caiu pela metade desde um ano atrás", diz James McDonald, editor-gerent da Dados WARC. 

Em seu maior e mais saturado mercado da América do Norte, onde foram investidos US$ 8 bilhões somente no primeiro trimestre de 2019, o crescimento dos usuários parou e a confiança dos consumidores nas plataformas sociais está diminuindo, acrescenta McDonald. 

Enquanto isso, o tempo gasto em plataformas sociais não aumentou nos últimos três anos, com os usuários mantendo uma média de duas horas por dia desde 2016. Em todo o continente, o Facebook tem 186 milhões de usuários diários, Snap 80m e Twitter 28m - números em sua maioria no mesmo nível ou abaixo do ano passado.

Queda
Na Europa, o crescimento em todas as propriedades sociais do Facebook (que incluem o Instagram e o popular WhatsApp) desacelerou para a menor taxa já registrada: + 1,4%. Em todas as plataformas, um quadro semelhante surge: de acordo com a GlobalWebIndex, o uso diário de mídia social caiu quatro minutos em relação ao ano anterior para uma hora e 49 minutos. Por seu turno, os números de usuários do Snap cairam pela primeira vez na região. 

 

Onde está crescendo
O crescimento mais forte vem da Ásia, com a Índia sendo um produtor particularmente forte, ao lado da Indonésia e das Filipinas. O uso social diário está aumentando: em 2019, o uso diário em toda a região chegou a 2:11, em comparação com 2:09 do ano passado. Há uma advertência importante, no entanto, de que a monetização na região é muito menor do que nos mercados ocidentais.

A desaceleração no crescimento do anúncio social ocorre ao mesmo tempo em que o setor de tecnologia está sob pressão sobre o uso de dados do consumidor. Uma pesquisa recente da YouGov, Dentsu e Universal McCann, entre outros, mostra que metade dos consumidores acredita que as empresas de tecnologia e mídia social têm muito poder e influência. Uma proporção similar quer ver mais regulação da indústria. 

 

Desconfiança
Mas o déficit de confiança tem camadas. Até dois terços dos consumidores não confiam nas informações provenientes das mídias sociais, com índices tão altos quanto 82% na Grã-Bretanha e 70% nos EUA. Até três quartos dos consumidores agora limitam sua presença online, citando o uso indevido de dados pessoais como a maior causa de desconfiança.

 

Novas estratégias
As plataformas sociais estão reagindo, observa McDonald. “O Facebook está procurando diversificar seus fluxos de receita com o lançamento do Libra, que, segundo a empresa, não será usado diretamente para enriquecer os dados do consumidor que colheu para fins de venda de anúncios. 
"No entanto, o custo de publicidade nas plataformas sociais do Facebook poderia aumentar se a empresa comprovasse uma relação entre os anúncios que serve e um aumento nas vendas facilitadas pela Libra." 

Embora as compras sociais ainda estejam nascendo nas plataformas ocidentais, na China, a facilidade do pagamento pelo meio móvel tornou as compras sociais uma norma. A Tencent fez 21,8 bilhões de ienes (US$ 3,2 bilhões) da FinTech nos primeiros três meses deste ano. Enquanto isso, nos EUA, preocupações com segurança e privacidade estão dificultando o crescimento do comércio social.
Dados originados da WARC.

04 de Janeiro de 2012