Todos querem salvar o mundo

19 de Novembro de 2014

Cheguei à conclusão de que a humanidade está salva ao participar, com projeto selecionado, do Social Good Bra

Cheguei à conclusão de que a humanidade está salva ao participar, com projeto selecionado, do Social Good Brasil Lab 2014. Tive a oportunidade de conhecer de perto uma galera nova e com propostas maravilhosas para melhorar a vida aqui na casa Terra. Os novos empreendedores sociais brasileiros já cresceram no cenário da mudança. Graças à essa vantagem competitiva, eles têm capacidade infinita de adaptação. Falta água no Brasil, falta remédio, falta lugar para descartar o lixo corretamente. Sobra, pra essa turma, ideias e iniciativas para fazer um mundo melhor. E não ficam só no campo das ideias. Cada hipótese apresentada deve ser testada e validada para continuar participando do SGB Lab. Para fazer parte dessa seleção e continuar de pé, os projetos levam porrada o tempo todo. São examinados pelos colegas, por orientadores, mentores, por bancas e passam por um processo de destrói e reconstrói incessante. Isso explica por que os projetos apresentam-se tão maduros e bem acabados no fim do corredor polonês. Passaram por muitos testes, ouviram muitos nãos até conquistarem o sim. Mais do que ajudar-nos a defender uma causa, o Social Good Brasil instrumenta quem participa com novas ferramentas de design, negócios e relacionamentos. E o mais importante é o casamento permanente da teoria com a prática. Entramos viajando no campo das ideias imaginárias, no contexto do nosso mundo ideal e perfeito, e somos arremessados ao encontro do usuário final daquela proposta que apresentamos. Invariavelmente, é preciso jogar tudo – ou boa parte – fora e recomeçar. E essa capacidade de mudança rápida e de se reinventar o tempo todo, sem apego, foi um dos principais legados do Social Good Brasil Lab para mim. Enquanto a mídia-mãe brasileira mostra os maus exemplos de cima abaixo, ou da Operação Lava-Jato à Ave de Rapina, uma galera muito boa trabalha em silêncio em novos aplicativos que vão desde avisar ao hipertenso que está na hora dele tomar o remédio até mostrar em tempo real a verba sendo desviada de seu fim por um político desonesto. Alegre-se! Um mundo melhor está sendo feito em silêncio, sim, mas em alta velocidade. A revolução silenciosa está a caminho. E bate à porta.

Carlo Manfroi

  • imagem de cmanfroi
    Carlo Manfroi é publicitário e escritor especialista em storytelling, pós-graduado em marketing interativo, CEO da Qualé Digital, professor de pós-graduação especializado em gerenciamento de crise e branding. Email: carlo@qualedigital.com – www.qualedigital.com www.storystudio.com.br